HOME SOBRE CONTATO ANUNCIE


[Resenha] O Menino Feito de Blocos- Keith Stuart

          O Menino Feito de BlocosSinopse: Uma história sobre um pai e seu filho autista, e sobre um jogo que mudou suas vidas. Alex ama sua família, mas tem dificuldade em se conectar com Sam, o filho autista de oito anos. A tensão crescente da rotina leva seu casamento ao ponto de ruptura. Jody não aguenta mais o marido ausente e que pouco participa da vida do filho. Então Alex vai morar com o melhor amigo, e passa a dormir no colchão inflável mais desconfortável do mundo. Enquanto Alex enfrenta a vida de homem separado, cumpre a função de pai em meio-expediente e é confrontado com segredos de família há muito enterrados, seu filho começa a jogar Minecraft. E o que acontece depois disso é algo que nem Alex, nem Jody, nem Sam poderiam imaginar. Inspirado no relacionamento do autor com seu filho autista, O menino feito de blocos é um livro emocionante, engraçado e verdadeiro sobre o poder da diferença e sobre um menino para lá de especial.


Título: O Menino Feito de Blocos |Autor: Keith Stuat|Editora: Record|Páginas: 378 |Ano: 2016 |Classificação: 5/5 ♥ | Livro Cedido Pela Editora |SKOOB

Resenha: Um pai que está perdendo tudo aos poucos precisa repensar suas atitudes antes que seja tarde demais, mas para Alex os traumas do passado tornam essa tarefa nada fácil.



Com um casamento desgastado pelas brigas e falta de compreensão, Alex inicia o livro saindo de casa para morar com seu amigo Dan. Ainda há chance de consertar as coisas, mas ele está totalmente perdido e sem saber o que fazer. Seus traumas do passado sempre voltam para assombrá-lo e o presente não tem um cenário melhor. Ele é um homem frustrado, com um trabalho que o deixa infeliz, não sabe lidar com seu filho autista e desaprendeu a apoiar a esposa. Agora, ele precisa rever sua vida para as coisas voltarem ao normal. Mas, será que ele realmente quer voltar para o caos que é sua casa? Voltar para as brigas com a Jody e enfrentar os dramas do filho Sam? Isso nem ele mesmo sabe.

“[...] A felicidade é fugaz e frágil. É tão fácil deixá-la escapar. Às vezes, ela passa e você não vê. Mas, às vezes, se você for extremamente sortudo e paciente, ela aparecerá outra vez.” 

Alex e Jody formam um casal que todos gostam, pelo menos foi essa a essência que tirei ao longo da leitura. Eles se apaixonaram jovens e tiveram suas vidas mudadas radicalmente quando Jody engravida.

Sam nunca foi uma criança fácil. Chorava por tudo, exigia muita dedicação dos pais, mas apesar disso, Jody e Alex faziam um bom trabalho em equipe. No entanto, com o passar dos anos a situação só piora e eles descobrem que o filho se encontra no espectro autista. O diagnóstico, contudo, não facilita as coisas e a cada dia Alex se vê mais perdido em como cuidar e se aproximar do filho. O que ele faz? Mergulha no trabalho e começa a criar desculpas para fugir da sua difícil rotina. Ele passa horas no trabalho e se distancia cada vez mais da família.

Tudo tem limite e Jody não suporta aguentar a barra sozinha, apesar de ser uma personagem forte, determinada e que não desaba frente a uma dificuldade. Ela conversa com o marido e decide que eles precisam de uma separação experimental e talvez, só assim, Alex conseguisse consertar as coisas.

Agora, ele é obrigado a passar todos os sábados com o filho e ficar com ele nos momentos em que a esposa está ocupada. A ideia de ficar sozinho com Sam é apavorante. “E se o Sam começar a chorar compulsivamente?”, “E se ele ficar incontrolável?”. São tantas coisas que podem acontecer e, que de fato acontecem, que aos poucos Alex é obrigado a dar um jeito sozinho.

“É estranho como uma vida inteira pode ser destilada em uma série de momentos e como, sem pensar, colocamos esses momentos em ordem, montando uma história que faz sentido e parece significar alguma coisa. Somos eternos editores das nossas próprias histórias. Mas às vezes entendemos tudo errado.”

Fato é que Alex não conhece o filho. Toda vez que o olha, na verdade ele olha para o autismo, como se ele dominasse o Sam. Ele tem completo pavor de ficar com o filho; não sabe como agir ou como conversar e, essa dificuldade perdura por boa parte do livro até que algo inesperado acontece.

Sam passa a jogar Minecraft que se torna a melhor coisa na vida do garotinho de 8 anos. Em uma das diversas tentativas de se aproximar, Alex passa a jogar com o filho e é através de um vídeo-game que a relação pai e filho começa a se desenrolar. Sam que sempre permanece calado em conversas e dá respostas curtas e rápidas, passa a desenvolver melhor a fala e seu vocabulário se expande. É durante o jogo que Alex começa a conhecer verdadeiramente o Sam e a criar uma linda relação de amor, carinho e compreensão.

É muito difícil escrever sobre uma leitura tão gratificante como foi “O Menino Feito de Blocos”. O autor, que se inspirou em sua história de vida com o filho autista para escrever o livro, fez um ótimo trabalho. Ele criou personagens críveis, humanos, sensíveis, que não são perfeitos e não têm vergonha de mostrar seus erros. Aprendi uma lição de vida com cada um deles e me afeiçoei de uma forma diferente a cada um. Além disso, o autor abordou o autismo da forma mais transparente possível. Conhecemos a realidade dos pais e o quão desgastante pode ser tentar entrar no mundo do filho. Descobrimos aos poucos como é a personalidade de um autista, sua forma de ver o mundo e como o mundo o vê.

“Sam e eu temos conversado de verdade, temos nos divertido juntos. Sinto como seu eu estivesse começando a entendê-lo. Nós jogamos Minecraft e lá é um lugar onde podemos ficar juntos e nada é muito complicado nem estressante.”

É tão gratificante acompanhar a evolução dos personagens e a forma como Sam cresce a partir do Minecraft que eu simplesmente não conseguia largar o livro (li em um dia). Mergulhei na história e me coloquei no lugar dos personagens diversas vezes tentando resolver os problemas. Me emocionei com um final lindo e que me tocou profundamente. Sam se mostrou um menino inteligente, sensível e muito corajoso. Ele me surpreendeu diversas vezes ao superar alguma limitação. E, mais que tudo, o momento mais importante foi perceber o quanto ele é amoroso.

No entanto, o personagem em destaque para mim foi, sem dúvida alguma, o próprio protagonista- Alex. Ele cresce tanto ao longo do livro que, ao final da leitura, me sinto extremamente feliz por ver tudo o que ele passou e a forma como conseguiu vencer cada obstáculo, da mesma forma que Sam venceu.

Por fim, para não me estender mais, destaco o último ponto alto do livro: as relações criadas ao longo da história. Já disse como os personagens foram bem criados, mas ressalto o quão boa foi a forma de relação que todos eles desenvolveram. Seja a relação de Alex com a irmã e a mãe. Seja sua relação com os amigos. Seja sua relação com a Jody. E, claro, sua relação com Sam. Cada uma foi desenvolvida de uma forma tão bem construída que não tinha uma cena, um capítulo que eu achasse entediante. Parabéns, Keith Stuart, por mais um ponto alto do livro.

E o último ponto a destacar (prometo!) é a forma como o autor narra o jogo Minecraft. Sim, vamos ter uma narrativa detalhada do jogo, mas não pense que isso tornou a leitura entediante porque é através dela que vamos acompanhar o pai conhecendo o filho e o filho conhecendo o pai. É lindo demais!

Deixo aqui meu agradecimento à Editora Record pela cortesia e oportunidade de ler um livro tão marcante. Essa é uma dica de um livro sensível, tocante e que nos mostra a realidade crua do autismo. Vamos acompanhar os medos de um pai que busca através do vídeo-game conhecer o filho, salvar seu casamento e salvar a si mesmo. Extramente reflexivo, esse é o Menino Feito de Blocos, uma leitura indispensável para quem quer ver a vida de forma simples e sensível.


 “Algumas construções são importantes porque são grandes, mas algumas são importantes porque têm lembranças dentre delas.”





Um beijo e até a próxima, 

19 comentários:

  1. Oi, Bah! Tudo bem? Acho a capa e a premissa desse livro muito interessantes. Me interesso pelo autismo e já li um livro muito bom sobre o tema (O Que Me Faz Pular, de Naoki Higashida). "O Menino Feito de Blocos" certamente despertou meu interesse. Espero lê-lo em breve. Adorei a resenha! :)

    Abraço

    https://tonylucasblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tony! Tudo bem e com você?
      Esse eu não conheço, mas já vou pesquisar sobre ele. Quero ler mais livros sobre o assunto.
      Obrigada!
      Abraços

      Excluir
  2. Oi Bárbara, tudo bem?
    Desde que li Passarinha, me apaixonei por enredos que abordam o autismo, sempre trazem uma lição de vida.
    Não conhecia o menino feito de blocos, mas é claro preciso ler, ainda mais sabendo que ele é bem fundamentado já que o autor se baseou em experiências próprias.
    Ótima resenha.

    Até mais!!
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paty! Tudo bem e você?
      Tenho muita vontade de ler Passarinha e agora, depois da leitura de O Menino Feito de Blocas, minhas expectativas aumentaram. Espero ler em breve :)
      Obrigada!
      Beijos

      Excluir
  3. Olá, Báh!
    Uau que livro incrível *-* Agora que sei mais sobre a estória, a capa fez todo o sentindo haha Amei saber que o livro é tão envolvente, interessante e cheio de lições! Já quero <3
    Beijos, Garota Vermelha
    www.livrosdagarotavermelha.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nath!
      Pois é, a capa remete completamente à história ^^
      Espero que goste da leitura!
      Beijos

      Excluir
  4. Oi Bárbara!
    Achei a capa desse livro uma graça!
    Fiquei com muita vontade de ler,principalmente depois que soube que o autor se inspirou no seu filho que tem autismo.
    Parece ser uma história de tocar o coração,de nos envolver e de refletir bastante!
    Beijos!

    http://livreirocultural.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cláudio!
      Você está certo. Esse livro nos toca o coração e provoca várias reflexões. É ótimo!
      Beijos

      Excluir
  5. Oi, Bah.
    Achei essa capa uma graça quando vi sua foto - confesso que ainda não conhecia esse livro - e não imaginava que abordava esse tema delicado, o autismo. Eu falo delicado porque há muito o que se falar e esclarecer sobre o tema, então acho ótimo mais e mais livros sobre o tema, diferentes abordagens. Adorei sua resenha. Me pareceu um livro itneressantíssimo.
    Bjs *.*
    O que disse, Alice?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mah!
      Concordo com você, é um tema bem delicado. Acho bacana a proposta de autores que utilizam a literatura para esclarecer, educar e instruir. Esse livro, principalmente, tem um toque especial, uma vez que o autor se inspirou em seu filho.
      Obrigada!
      Beijos

      Excluir
  6. Oi, Bárbara. Eu já sabia que este livro seria emocionante e inspirador. Tenho primo e irmãs viciadas nesse jogo, então sei o quanto eles podem aprender apenas juntando bloquinhos um em cima do outro. Nunca li nada sobre autismo, mas fiquei tão tocada pela sua resenha que seria inevitável não querer ler essa obra depois. Espero ter a oportunidade.
    Beijo! Leitora Encantada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Miriã!
      Que bom que você gostou!! Também espero que possa ler logo e goste ^^
      Beijos

      Excluir
  7. Olá, tudo bom? Confesso que esse livro não chama muito atenção, eu não gosto muito desse tipo de história mas eu vi algumas resenhas falando tão bem dele que fiquei tentada a ler hahaa Adorei sua resenha, bem explicadinha ^^

    Beijos
    https://resenhaatual.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sarah! Tudo bem e com você?
      Dê uma chance, quem sabe você não irá gostar?
      Obrigada!
      Beijos

      Excluir
  8. Oi, Bárbara!
    Gente, eu não dava nada pelo título e pela capa. Pela sua resenha, percebe-se que o livro é muito tocante.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza!
      Sim, o livro é lindo e emocionante!
      Beijos

      Excluir
  9. Oi Bah, tudo bem?
    Ah, as suas resenhas são sempre tão lindas!
    Eu quero muito ler um livro que fale sobre autismo sabe? Já trabalhei com crianças com essa doença, acho que é por isso o meu interesse! Um livro com essa temática que está na minha lista é Passarinha, quero muuuuito ler!

    Com carinho,
    Ana | Blog Entre Páginas
    www.entrepaginas.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aninha!
      Muito obrigada!!
      Passarinha também está na minha lista de desejados há muito tempo e agora o interesse pela leitura aumentou ainda mais.
      Leia O Menino Feito de Blocos, acho que você vai gostar.
      Beijos

      Excluir
  10. Amiga confesso que em um primeiro momento, julgando pela capa e pelo título não teria interesse em ler esse livro. Mas assim que comecei a ler sua resenha e perceber o quanto a reflexão proposta pelo livro é interessante, sensível e intensa fiquei curiosa.
    Autismo ainda é um tema pouco conhecido pela grande maioria dos leitores, eu mesmo só conheço o pouco que passou em uma novela e em algumas matérias de TV, mas achei tudo bem desafiador e rapidamente me colocando no lugar desses pais imagino a dificuldade de ambos. Mas penso que se Deus colocou esse desafio na vida deles é porque eles conseguem, só ele sabe o qnt fortes podemos ser.
    Mas que interessante o papel de aproximação desse jogo na vida dessa família. Inspirador!
    Tão bom ler histórias onde os personagens assumem seus erros, aprendem e encontram sua redenção. Também fico tocada e motivada a melhorar quando leio histórias assim.
    Amei conferi suas impressões amiga. Mais uma leitura sua que fiquei com vontade de ler. Valeu pela dica. Beijos

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir

© Versos e Notas - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento por: Colorindo Design - Tecnologia do Blogger.