HOME SOBRE CONTATO ANUNCIE


[Resenha] Ligeiramente Pecaminosos- Mary Balogh

Ligeiramente PecaminososTítulo:Ligeiramente Pecaminosos-Os Bedwyns #5 
Autora: Mary Balogh
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Ano: 2016
Classificação: 5/5
Livro Cedido em Parceria com a Editora

Sinopse: Em meio à Batalha de Waterloo, lorde Alleyne Bedwyn é ferido e dado como morto pela família. Ao acordar, ele se vê no quarto de um bordel sem lembrar quem é ou como foi parar ali. Sua única certeza é que deseja conquistar o coração do anjo que cuida dele todo dia.Contudo, assim como ele, Rachel York não é quem parece. Depois de enfrentar uma situação difícil, que a levou a viver numa casa de pecados, agora a bela e inteligente jovem precisa recuperar seu dinheiro e as economias das amigas prostitutas, roubados por um falso clérigo. E o belo soldado de quem vem cuidando parece perfeito para se passar por seu marido e ajudá-la em seus planos. Porém, apesar de ter perdido a memória, Alleyne não perdeu nada de sua sedução. De volta a Londres, os dois se envolvem em um escândalo pecaminoso e, a cada beijo, esquecem que seu relacionamento é apenas uma farsa e ficam mais perto de se entregar à paixão. Neste quinto livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh apresenta um romance repleto de humor, com personagens carismáticos que o leitor não conseguirá abandonar ao fim da história.

Resenha: Rachel York precisa rapidamente de um marido para receber sua herança e ajudar suas queridas amigas. Alleyne Bedwyn precisa desesperadamente recobrar sua memória e recuperar sua identidade. A vida desses personagens se mesclará de uma forma muito inusitada e, o resultado? Uma amizade com toque de gratidão no início e um romance encantador que nascerá tão rápido quanto o desejo crescente entre o casal. 



Rachel não tem uma vida nada fácil. Sua mãe morreu muito jovem, o tio a renegou completamente e o pai se afundou nos jogos até a morte. Pobre e sozinha, sua situação piora quando a jovem se deixa encantar pelo “clérigo” Nigel Crawley que de clérigo não tinha nada. Ele conquista a confiança de Rachel e, por fim, vai embora levando consigo o dinheiro da jovem e o de suas amigas. Suas amigas, em questão, eram mulheres da vida, donas de um bordel, que juntaram esse dinheiro durante toda a vida para que pudessem se aposentar em breve. Apesar da profissão e da fama que ela taxava, as 4 mulheres são pessoas de bom coração, que amam Rachel como uma filha e irmã mais nova e só levam essa vida para conseguir sobreviver. 

Totalmente abalada e sentindo-se culpada pelo acontecido, Rachel se coloca à disposição das amigas para ir em busca do falso clérigo e recuperar o que lhes foi tirado. Mas, para isso, elas precisariam de um plano e de muito dinheiro. 

Rapidamente, Geraldine, Phyllis, Flossie e Bridget decidem que saquear os corpos dos soldados mortos na Batalha de Waterloo (pano de fundo do livro anterior da série- Ligeiramente Seduzidos) era a forma mais rápida de arranjar dinheiro, mas ao ver a realidade da guerra, elas acabam não tendo coragem de fazer algo do tipo. Sendo assim, elas voltam para casa sem dinheiro algum, a não ser Rachel, que volta com um homem desacordado e muito ferido e um sargento que acabara de perder o olho. 

Rachel não sabe definir o que exatamente a levou socorrer um completo desconhecido, mas ao notar que o homem ainda estava vivo, um sentimento forte tomou conta de si e ela acabou por ser impulsiva na tentativa de socorrê-lo. Após dias de cuidado intenso ao paciente, ele finalmente acorda se mostrando mais bonito e aristocrático do que o esperado. O único problema, contudo, era o fato dele ter perdido a memória e não saber sua verdadeira identidade. Eis que somos apresentados a Alleyne Bedwyn, o irmão mais novo do duque de Bewcastle que foi considerado morto na Batalha de Waterloo (fato presente no livro anterior da série) quando seu corpo não é encontrado. 

A experiência de não saber sua identidade era totalmente angustiante para Alleyne que, somada a dor de cabeça e a dor na perna ferida, tornou sua recuperação exaustiva e frustrante em alguns momentos. Se não fosse pela presença constante de Rachel em seu quarto para cuidar dos seus ferimentos, ele já estaria enlouquecendo, mas a presença da jovem dama o acalmava consideravelmente. É claro que sua beleza estonteante não lhe passou despercebida e a medida que os dias passavam, Alleyne sentia mais desejo e gratidão por Rachel ter salvado sua vida e por ser tão doce nos cuidados com ele. 


Quando amamos alguém – divagou ela –, não vemos mais essa pessoa objetivamente. Nós a vemos com o coração.

Mas, quem seria ela afinal? Ela não poderia trabalhar no bordel, pois era uma dama indiscutível. Mas então, o que a levou a ir morar lá? 

E é nesse ínterim que Rachel confessa que ela tem algumas joias de herança que seria o suficiente para custear a viagem dela e das amigas em busca de vingança. Mas, segundo o testamento da mãe, ela só teria direito às joias depois que se casasse e obtivesse a aprovação de seu tio.  

Quando essa história chega aos ouvidos de Alleyne, o rapaz se coloca imediatamente à disposição de Rachel para, pelo menos, fingir ser seu marido. Uma ideia absurda e louca, mas era a última chance da jovem ajudar as amigas com quem tinha uma enorme dívida. Sendo assim, eles criam um plano, forjam nomes e seguem para a propriedade do barão Weston, tio de Rachel, a quem eles enganariam para pegar as joias e, enfim, ir atrás do falso clérigo. 


Em um primeiro momento tive dificuldades para me envolver com a história, uma vez que tudo me parecia muito trivial, principalmente a relação entre os personagens. Mas, a partir do momento em que eles chegam à casa do barão Weston a narrativa ganha um aspecto muito mais sensível e tocante, bem característico dos romances de que tanto gosto. 

Adorei o rumo que os fatos seguiram, adorei a escrita fluida da autora, adorei todos os personagens criados e o humor que veio com eles e amei o casal lindo que se formou.

Esse é mais um encantador romance de época da autora Mary Balogh que traz uma mistura de amor, desejo e uma ótima pitada de humor. Os Bedwyns são um dos personagens mais críveis que já conheci e é incrível a forma como a autora consegue torná-los cativantes, mesmo com seus defeitos, e como os conduz a aprender várias lições com a vida. Esse é um dos pontos que mais gosto nessa série. Não temos aqueles personagens imaculados de perfeição e isso torna a história mais real e o cria a sensação de que estamos dentro do livro durante a leitura. Porque a tia Mary sabe conduzir bem um enredo e vem me cativando, cada vez mais, com os queridos aristocratas da família Bedwyns.

Sobre a edição, está linda como sempre. A capa é maravilhosa, a diagramação é simples, mas boa e a revisão foi ótima! Enfim, deixo aqui mais uma dica de um romance de época queridinho!!

14 comentários:

  1. Olá Bárbara, tudo bem?
    Amo romances de época! Ainda não li esse livro, mas espero que seja tão bom quanto os outros da série.
    Beijos!

    Excêntrica Garota

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Esther! Tudo bem e com você?
      Como não amar romances de época, né? ^^
      Esse livro é maravilhoso e é muito bom tão quanto os demais, mas, meu favorito continua sendo Ligeiramente Maliciosos.
      Beijo

      Excluir
  2. Oi, Bárbara!
    Eu quase não leio romances de época, mas leio muitas resenhas a respeito deles. Esse parece ser bem diferente, a começar pelas amigas da protagonista. Gosto dessa ousadia misturada com os hábitos e costumes mais antiquados, deixa tudo mais real.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carla!
      Sim, é bem diferente mesmo e foi o que mais me cativou!
      Beijos

      Excluir
  3. Oi Bárbara, tudo bem? Gosto bastante da narrativa da Mary Balogh e gostei muito do Alleyne neste livro!! As mulheres amigas da Rachel tb, elas são bem engraçadas!! Agora vamos esperar pelo próximo rsrsrs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mi!
      Verdade, foi graças a elas que dei boas risadas nesse livro.
      Estou super ansiosa para ler o próximo e com as expectativas nas alturas!!
      Beijos

      Excluir
  4. Olá!
    Gostei bastante da sua resenha, mas confesso que esse gênero não me agrada em nada. As vezes acho que é um certo preconceito literário meu, mas não consigo me encantar por essas histórias.
    Na parte da resenha, adorei como colocou seu ponto de vista e sua sinceridade, continue assim <3

    Beijos, Tabatha Cuzziol
    Blog e Canal Floretizas - http://floretizas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá, Bárbara.
    Uma coisa que gostei muito nesse livro e em todos da autora, é que ela não mostra perfeição mesmo, tanto que a primeira vez deles é horrível, coisa que nunca tinha visto em um livro. Eu gostei muito do livro e não vejo a hora de ler o livro do duque, meu preferido de toda a série.
    Feliz Natal!

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil!
      Exatamente. Às vezes muitas perfeição em um livro cansa e torna a envolvimento do leitor com a história muito sutil.
      Um beijo

      Excluir
  6. Olá!
    Nunca li livros de época mas é um gênero quer quero muito ler!
    Beijos!
    http://focadasnoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Bahzinha meus comentários para os livros de época ficam tão repetitivos, mas como não li nenhum dos que quero a única coisa que posso dizer é que realmente não me falta vontade. Esse que você postou é uma exceção, mas gostei de saber que os personagens não são perfeitinhos assim, fica mais real.

    B-jão.
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir

© Versos e Notas - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento por: Colorindo Design - Tecnologia do Blogger.